O problema prioritário relacionado às questões de fiscalização no Parque Estadual da Cantareira é o uso e a ocupação do solo na Zona de Amortecimento desta Unidade de Conservação.
 
Esta é a compreensão desenvolvida a partir do espaço de seu Conselho Gestor que, no segundo semestre de 2015 abrigou encontros da Formação Socioambiental, marcados pela observação atenta, perspectivas diversas, debates e encaminhamentos de ações assumidas como agenda da UC e Conselho.
 
Como pode ser observado na página relativa ao Polo 13, Parque Estadual da Cantareira, as ações de enfrentamento das principais causas do padrão de uso e ocupação do solo não levaram em conta a aproximação dessa narrativa sobre as origens das pressões sobre o PEC de outros espaços de diálogo, debate e relacionamento com a gestão ambiental pública em sentido ampliado, como outros Conselhos ligados ao meio ambiente. 
 
Em 2016 e 2017, em função do contato que os encontros da FS no Conselho do PEC promoveu entre o órgão ambiental municipal de São Paulo (Secretaria do verde e Meio Ambiente - SVMA) e integrantes da CFA-SMA/SP, algumas falas sobre o tratamento dado à problemática socioambiental pelo SIM foram demandadas em eventos como o Quinta Ambiental e o Encontro Intersetorial "Reflexão sobre Temas ambientais e atuação no cotidiano - Poder Público Estadual e Municipal, 3º Setor, Universidade e Sociedade Civil".
 
A partir desta aproximação entre Departamento de Gestão Descentralizada (DGD) Norte-2 e CFA-SMA/SP e estreitamento da relação institucional, uma parceria entre ambos os órgãos a fim de disseminar as preocupações afetas à fiscalização reconhecidas pelo Conselho Gestor do PEC pelo território de sua Zona de Amortecimento. Daí emerge o Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz - CADES Casa Verde/Cachoeirinha, na condição de Conselho de Meio Ambiente regional, como um relevante espaço para tratar de problemas socioambientais comuns ao territórios dos bairros, tanto quanto à UC, uma vez que as dinâmicas socioespaciais dos bairros configuram-se por vezes como vetores de pressão ao PEC.
 
Partindo desse entendimento, em julho de 2017 um trabalho similar à FS em se tratando de metodologia foi desenvolvido para se propor aos conselheiros recém eleitos do CADES Casa Verde/Cachoeirinha. Neste trabalho, aceito pelo CADES em agosto do mesmo ano, se previu que CFA-SMA/S e DGD Norte-2 da SVMA conduziriam um processo formativo aos Conselhos do CADES em que, partindo de uma compreensão coletiva da problemática socioambiental do território do CADES, se desenvolvesse também uma agenda que expressasse um entendimento também comum entre os participante sobre a atuação do CADES diante dos principais problema da região em diálogo com as pressões ao PEC.
 
Entre agosto de dezembro de 2017, sete encontros foram realizados, sempre à noite e com a fundamental cooperação e envolvimento da Prefeitura Regional de Casa Verde/Cachoeirinha. As quartas e quintas feiras se alternaram como dias da semana para abrigar os encontros.
 
Os resultados de todas as reuniões dedicadas a deliberações do CADES quanto ao principal problema, suas causas críticas e ações de enfrentamento com base no papel e atribuições do CADES são expostos a seguir, com as respectivas fotos e ilustrações das construções sempre coletivas e consensuadas a cada encontro.
 
 
Localização dos distritos municipais de Casa Verde, Cachoeirinha e Limão no Município de São Paulo.
Os três compõem o territórios sob atenção do CADES casa verde/Cachoeirinha
 
 
Relação do território do CADES e o Parque Estadual da Cantareira.
Parte da UC e Zona de Amortecimento se sobrepõe ao território sob gestão do CADES. 
Digite o seu texto...